Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos Mudos

Desabafos Mudos

16/04/15

mais karma

Durante estes últimos meses tem havido, para não variar, uma onda de falsidade na minha família. Mas nem vou para aqui começar a apontar cada cena senão  juro-vos que tinha que em cada dúzia de posts iam faltar caracteres e vocês fugiam com o tamanho deles.

 

Bem, e o que tem o karma a ver com isto? A falsidade surge quando alguém faz, repetidamente, bolos que são engraçaditos por fora e horrorosos por dentro. Parece que foram demolhados em água... Continuando, eu tenho dito à minha mãe que ela só pode estar a tentar fazer um portefólio para depois vender... Porque ninguém faz bolos com massa pão e os oferece, a coisa saí cara. BAM! Dito e confirmado. Ela já disse a outra tia que este ano oferecia os bolos de aniversário aos sobrinhos, mas que para o ano quem quisesse tinha que pagar.


Vou admitir, eu nunca lhe disse que aqueles bolos estavam horrorosos. Mas porquê? Porque depois as outras tias mais amigas dela (que também já me disseram que detestavam e não conseguiam comer) iam por trás metê-la contra mim e dizer que era mentira, que eram muito bons.

 

Bem, amigas queridas. Quero ver qual de vocês para o ano vai pagar por aqueles bolos deliciosos ;)
O karma vem aí! Têm duas opções, nenhuma delas simpática: pagam por uma coisa horrível e ainda a comem ou dizem que não e vão ter que arranjar uma boa desculpa. De uma forma ou de outra vai correr mal para o lado delas.

 

15/04/15

família querida

Sabemos que estamos em apuros quando num assunto delicado (que é um bolo de aniversário...) a primeira tia que fala com a segunda tia, pede à segunda tia para me dizer para eu ligar para a primeira tia a combinar os detalhes da imagem para o bolo de aniversário... quando, ainda para acrescentar, a primeira gosta de ser o centro das atenções e está a tentar fazer um portefólio dela de bolos para tentar vender.

 

10/03/15

a minha mãe diz que saio ao meu pai

Vocês já sabem que neste momento tenho um trabalho fotográfico que inclui fotografias para quadros. Então estava eu à duas semanas em Lisboa em casa dos meus pais quando me surgiu e disse: "Epah, sabes no que penso às vezes? Imagina que o hotel se aguenta e daqui a cem anos estão as minhas fotos pelas paredes em quadros e as pessoas vêm e dizem 'wow, esta foi tirada onde?' ou 'quem é que tirou estas fotografias?', era brutal!". Ao que o meu namorado responde que estou sempre a pensar muito à frente e a minha mãe diz que sou mesmo igual ao meu pai, mas que isto é uma coisa boa. Ser positiva.


Que houve uma altura em que para os meus pais as coisas também estavam apertadas por qualquer coisa que aconteceu (que eu já não me recordo para variar) e que ele, calmo, lhe disse que sempre que se fecha uma porta ou vai abrir. E não é uns dias depois as coisas melhoraram bastante?

 

Há alturas em que aqui andamos apertados, apertadinhos, e de um momento para o outro surgem oportunidades assim puff quase do ar. Tudo ao mesmo tempo. E eu não consigo deixar de imaginar isso. Os quadros com fotografias da região e as pessoas a olharem e a compararem com a futura actualidade que vai ser daqui a 100 anos.

15/01/15

novamente o facebook

Vocês sabem aquelas pessoas, geralmente familiares, que têm a mania de pôr tudo quanto é porcaria da vida pessoal delas (que muitas vezes vos incluem) e depois nos fazem sentir obrigados a fazer nem que seja um like na publicação, porque se não fizermos vai andar a família toda a falar mal de vocês nas costas porque não fizeram a porcaria de um like no assunto?

Pois é. Bem vindos ao meu mundo.

Há coisas que não devem ser ditas no facebook e há pessoas que não conhecem limites. Acho que no próximo Natal vou oferecer a todos a definição de vida privada, em várias línguas. Só para ter a certeza que entrenham a coisa no cérebro.

22/12/14

do miminhos para o Natal # 2

Lembram-se deste post? Está feito. Andei um bocado à bulha com o word e a impressora, mas no fim consegui o que queria. Depois faltou a parte do meu pai que também já está embrulhada e guardada. Um mealheiro com um cartão de memória de 16GB lá dentro, que ele já está a precisar.


Foi hoje, enquanto estava só eu e o meu irmão em casa que agarrei no dossier e na vaquinha para guardar nos sacos de Natal. Mas eu não queria que ele percebesse logo que era uma vaquinha mealheiro que ia receber, coisa que estava estampado na caixa então andei a procurar pela casa jornais velhos para proteger a mealheiro que é de barro/porcelana(?). Não encontrei nada, nem para reciclar. E não podia usar os novos, dava nas vistas. Quando olho para a secretária do meu irmão e vejo duas revistas. 'Posso?', 'Yh, isso foi o pai que pôs aí para mim mas eu nunca vejo' disse ele. Agarrei na de cima e fui rasgando as páginas para embrulhar à volta do mealheiro quando chego a esta página:

 

(qualidade que o telemóvel permite)

 

Havia lá coisa mais perfeita para acrescentar senão um recorte desta página? Nem que estivesse à procura encontrava uma coisa assim. Porque a ideia é mesmo ele pôr na cabeça que não é impossível voltar a Angola, ir lá passar uns dias. Basta querer e ir devagarinho juntando algum. Queria dar um incentivo, dar aquele abrir de olhos... vocês perceberam.

Então ficou assim:

O dossier de receitas exigiu pesquisa de imagens, encontrar padrões que ficassem bem com o dossier, trabalho trabalho no photshop e algumas lutas com o word até conseguir imprimir aquela borda conforme eu queria (bastava guardar em PDF e imprimir...) e mais nada :) se tiverem aí mães cozinheiras aqui está uma ideia para este, para o próximo Natal, para os anos ou o dia da Mãe. Ou simplesmente porque sim.


Picoult, 25 anos, a espetar com tudo para aqui desde 2009.

it

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Sobre mim

Picoult, 26 anos, a espetar com tudo para aqui desde 2009.
Curiosa na multimédia, gosta de fotografia, apaixonada por gatos e já foi viciada em escrita.