Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos Mudos

Desabafos Mudos

11/04/11

Doces mentiras

Passei os dedos no teu cabelo para deixar no perfeito desalinho de que gosto tanto. Estavas febril, tão sem cor. Os olhos pesavam-te, pareciam sonolentos, mas abriste-os. Já não tinham brilho e perdiam-se num imenso vazio, mas de alguma forma encontraste-me e focaste o olhar no meu. Ou assim pensei eu. Afaguei a mão que não reagiu ao meu toque quente, provavelmente porque já não me sentias. Como irias sentir tu fosse o que fosse se eles continuavam a impingir-te aqueles venenos no corpo para te manter cá?
Lembro-me de ter moldado nos meus lábios as palavras ‘Vais ficar bem.’ e de morder o lábio inferior para aguentar as lágrimas. Recordo também do gosto a sangue que me passeou na boca e de optar por cerrar o punho no colo. Não acreditaste. Eu também já não conseguia acreditar.

30/11/10

Uma pessoa fria

Uma pessoa fria é alguém que outrora foi a pessoa mais calorosa. É aquela que ultrapassou o limite da sua capacidade de sofrer. Por ter ouvido, por ter acolhido tanta angústia alheia nos seus braços. Por se ter dado a gente em quem tanto confiava, gente que tanto amava, gente que julgava conhecer. Uma pessoa fria é alguém que se vê obrigada a criar um escudo invisível na esperança de sozinha, fechada nele, um dia encontrar um rasgo de alegria pela qual valha a pena sofrer.

22/11/10

desisto

Não porque estou cansada, desisto porque ultrapassei o limite da minha capacidade de sofrer.

Amei-te como ninguém, pedi desculpa quando não devia. Tentei chegar junto de ti para voltarmos ao passado, embati numa parede fria. Tal coisa é impossível afinal, não é? Já foi, já foi. O que virá, virá. E virá sem ti aqui ao pé de mim.

25/09/10

segredos da chuva

Chiu... Consegues ouvir? O sussurro das gotas da chuva, que cai silenciosamente. A água a escorrer nos passeios, escorregando pelas grades da valeta. Todas elas tem segredos que murmuram entre elas sem incomodar a lua adormecida no céu. Murmuram curiosas no silêncio da noite, cantam baixinho uma suave melodia para os que ainda não dormem, dançam com o vento ao cair neste mundo. Pétalas arrancadas das suas flores caiem em grandes poças enlameadas de dois dias. Passeiam sobre a água como pequenos barcos de madeira perdidos no meio do oceano. As gotas frias deslizam suavemente pelas folhas dos ramos e as árvores soltam melodiosas gargalhadas mudas. Sentem-se seduzidas pelas gotas que escorrem por elas entre sussurros e risos. Modestas como são, apaixonaram-se por noites de dilúvios e por dias infindáveis de chuva que terminam com cheias que assediam os seus troncos com o vaivém... Aqueles sussurros eram tema de conversa. Sabes do que falam?
O vento sopra violentamente desviando-as da sua trajectória até ao solo. Esforça-se por desvendar os mistérios, os segredos. Mas sem sucesso. Interessadas na vida falam sobre tudo, amor, magia, ódio, sobre rios e mares, o céu sem limite e o subsolo, as diferentes formas de vida! Falam sobre coisas que nunca irás saber. São segredos, até de há milhares de anos, que as acompanham durante o seu ciclo eterno. Murmúrios inaudíveis sobre possíveis toques no abstracto e a visão do inexistente. Sussurros que não consegues ouvir...

 

25/07/10

Meu jogo vicioso

Acaba sempre por voltar ao mesmo. Fazes-me rir e eu acabo por deixar. Conto-te os meus medos e acabo por dizer o que não devia. E começo a ansiar novamente. Acabo dar a parte fraca e admitir que tenho saudades tuas. Amparo-te. Mas ajudas-me a levantar? Ris-te. Fazes-me chorar mas volto a acreditar. Chateio-me e não percebes porquê. Alguma vez percebeste alguma coisa? Então explico só  mais uma vez. Mas ainda assim não percebes? Tu pensas? Tu sentes? E acabo por desistir. Por tentar fugir. Por voltar. Por acreditar e por voltar a chorar. Acaba sempre por voltar ao mesmo.


Picoult, 25 anos, a espetar com tudo para aqui desde 2009.

it

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Sobre mim

Picoult, 25 anos, a espetar com tudo para aqui desde 2009.
Curiosa na multimédia, gosta de fotografia, apaixonada por gatos e já foi viciada em escrita.